Não guarde o MELHOR de si só para ano. Comece já!

Image v1
dezembro
14
Livros a não perder

Por César Ferreira

Estamos a poucos dias de iniciar um novo ano. Começam as promessas, as juras de amor, os novos objetivos. Vivemos uma espécie de êxtase que nos alimenta e nos persuade de que para o ano é que a nossa vida irá MESMO mudar! Contudo, e na maioria das vezes, isso é sol de pouco dura. Permanecemos firmes um ou dois meses, mas depois algo acontece e o nosso velho padrão volta a dar sinais de vida.

O que mais afasta as pessoas de concretizarem o que ambicionam é o facto de adiarem, mesmo que por alguns dias, entrar em ação. O maior inimigo interno é aquele que faz tudo para que fiquemos convencidos, e até estranhamente tranquilos, de que “amanhã é que será. Amanhã é que vou começar a sério. Amanhã…” Nada é mais penoso do que a falsa normalidade que nos afirma que vamos sempre a tempo. E com esta atitude tornamo-nos excelentes sonhadores, mas péssimos concretizadores.

Se o sonho nos ajuda a elevar os nossos níveis de exigência e a sentir que a vida pode ter mais cor, a ação permite-nos cumprir esses níveis e pintar, de facto, a vida com mais cores. O sonho, por si só, de pouco vale. “O homem sonha, a obra nasce” (Fernando Pessoa). A obra tem de acontecer. É necessário, pertinente, saudável, assumirmos o compromisso da realização.

Iniciamos um novo ano com o “saco das desculpas” vazio, mas passado pouco tempo esse saco volta a estar cheio. Provavelmente isso significa que, antes de traçarmos o que quer que seja, devemos dar prioridade a eliminar as nossas desculpas. A superá-las, a permitir que desapareçam de vez da nossa vida, a substituí-las por pequenas concretizações, a não lhes dar a importância que solicitam.

Qualquer objetivo tem em si parte de extraordinário. Temos objetivos para que algo mude para melhor. Para que sejamos verdadeiros com as nossas ambições.

Se já tem objetivos para o próximo ano, não espere que este ano termine. Entre já em ação. Se ainda procura objetivos, elimine primeiro as suas desculpas e os seus os bloqueios. Não consinta que, para o ano, parte da história que não quer que se repita volte a acontecer.

Dois dos livros que pode ler e que certamente vão ajudá-lo(a) são “O Melhor Ano da Sua Vida” de Debbie Ford, e “A Única Coisa”, de Gary Keller e Jay Papasan.

A primeira leitura é crucial para aprender a definir objetivos e a entrar em ação no tempo ideal (que pode ser já hoje!). A segunda permite que nos foquemos no que é mais importante e que executemos todo o plano que delineámos.

Estas leituras só terão impacto na sua vida se estiver preparado(a) para largar de uma vez por todas a “atitude ioiô”. Aquela atitude em que faz o que tem a fazer mas que, à mínima dificuldade, volta para trás.

Os seus objetivos podem ir mudando, mas a única forma de saber que funcionam é testando-os. E embora pense que terá sempre tempo, a vida jamais espera por alguém. A função da vida é fluir. A nossa é permitir que isso aconteça em nós.

Desejo-lhe momentos inspiradores.

Boas leituras.

Sentir a vida